terça-feira, 22 de abril de 2008

SINOFOBIA

Vivemos uma era única. O mundo que conhecemos hoje poderá já não ser o mesmo amanhã. As alterações e mudanças acontecem em contínuo e por toda a parte, tomando as mais variadas formas.

Outrora era possível prever com tranquilidade a evolução dos acontecimentos. O mundo era previsível nos seus formatos tradicionais e estruturas rígidas. Era fácil catalogar e compartimentar dum modo dito científico. E assim até as nações e sociedades foram estratificadas, tomando como padrão o modelo referencial científico-tecnológico da civilização ocidental (europeia/norte-americana). Detentores de tecnologias que nos permitem viver com maior conforto e comodidade (materiais!), depressa acreditámos ser esse o derradeiro sentido da evolução Humana. Isso dava-nos um estatuto de superioridade perante os outros povos.
Então começou a falar-se nos países do Terceiro-Mundo (nunca cheguei a perceber porque não ouvia falar nos do Segundo-Mundo; ou será que não existe essa designação?! Talvez seja somente ingéua ignorância minha), como sociedades incultas, carentes de progresso. As Nações tecnologicamente mais avançadas depressa se tornaram Senhoras do Mundo, enquanto as sua irmãs do Terceiro-Mundo foram relegadas para o papel de pobres indigentes mendigando migalhas aos pés da mesa dos Grandes.
Que visão mais tacanha da condição humana!

Mas ao invés de entregarem as suas sobras (migalhas) aos seus irmãos mais desfavorecidos, as nações económica e tecnologicamente mais desenvolvidas passaram a tirar vantagem da sua supremacia para retirarem ainda mais benfícios das desigualdades, explorando despudoradamente a dependência, por debilidade, económica dessas nações, que afirmavam pretender auxiliar no seu desenvolvimento.

Agora os centros mundiais de acelerado crescimento económico deslocam-se geograficamente. Os países dos continentes europeu e norte-americano, debatem-se para não perderem a sua liderança face ao acelerado desenvolvimento económico de nações como a China, a Índia, o Brasil, entre outras. O Brasil já deixou o estatuto de nação apenas devedora para passar a ser também nação credora. A China é credora dos USA. Veja-se o recente pânico nas economias e mercados abastecedores mundias causado pelo aumento súbito do preço do arroz na bolsa tailandesa.

Na liderança do aceleramento económico está a China. Com o seu novo modelo, que os dirigentes comunistas apelidam de experimental - de início restrito a zonas localizadas mas que agora se vai implementando por outras regiões - a China torna-se o paraíso do investimento e do sucesso. Depois de décadas de imobilismo e decrepitude, a China é o espelho do futuro desta sociedade consumista que a civilização ocidental impôs ao mundo. Se os seus mais de 1,3 biliões de habitantes usufruissem (e democraticamente têm todo o direito a tal) dos confortos e comodidades dos povos dos países ditos ocidentais todo o planeta entraria em colapso por esgotamento de recursos.
E como aqueles que enriquecem são invariavelmente alvos da inveja alheia, a China está hoje na mira de todas as campanhas de difamação e aviltamento. Ela é a corporificação do velho mito-presságio do «despertar do Dragão Asiático». Ela é o alvo a abater por todos os grupos de interesses político-económicos do ocidente, tão experientes nas artes da difamação para a posterior recolha necrófaga de proveitos. E toda essa propaganda acaba por se disseminar sublinearmente nas populações, acabando por pesar nos seus juizos de valor.
É a isso que eu chamo de Sinofobia («sino»: aquilo que se refere a chinês).

1 comentário:

edson disse...

Realmente, Dragão, o mundo anda muito maluco! Guerra, violencia, fome... E o ser humano com sua desevolução social está cada vez mais afastado da evolução espiritual, dos valores morais. O medo é o grande propulsor disso tudo. Medo da concorrência e da desaceleração da economia e consequente perda de regalias que isso gera, e sem citar outros, falo do medo maior: da morte, para onde apontam todos os tipos de medo. Mas precisamos ser otimistas! Ter pensamentos ruins nao resolve os problemas do mundo, só pioram. "Nao podemos mudar o mundo, mas podemos mudar o modo como o vemos"! E isso faz toda a diferença!!! Pensamentos e sentimentos agradáveis de Paz de Luz de Amor só custa um pouco de Boa vontade! Haja Paz Haja Luz para o nosso mundo!!!
(nao sei se me fiz entender, e quanto aos erros... esquece, isso acontece).
Abraço!